FUSO 2008
28 JUL > 1 AGO
       

 

                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
             
 
 
 
pedro barateiro
SELF
   
    2001-02, Fundação PLMJ, 2’41’’
 

A análise das relações de poder simbólico define a prática do artista. Nos seus projectos, realizados em múltiplos meios de expressão, equaciona problemáticas como o museu enquanto instância de legitimação artística, a relação entre arquitectura e planeamento territorial e a iconografia colonial. Nesta peça, numa acção captada em enquadramento frontal, o autor desenha na lente da câmara de filmar, delineando o seu rosto, numa fusão entre auto-retrato e contemplação de si próprio e de distintas tradições disciplinares. Este trabalho evoca, assim, as pioneiras abordagens em vídeo, pautadas por uma estética do narcisismo.