FUSO 2008
28 JUL > 1 AGO
       

 

                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
             
 
 
 
marcus coates
RADIO SHAMAN
   
    9:35’
 

O trabalho de Marcus Coates tem vindo a questionar a forma como nos relacionamos com outras espécies. Os processos dos seus filmes-performances apontam para a re-apresentação da definição de humanidade. O comportamento animal e o mimetismo animal são o centro da sua pesquisa numa procura da consciencialização do cruzamento de espécies.
Na fotografia “Goshawk” (espécie rara de falcão), vemos um distante e indígena pinheiro e Marcus Coates preso no topo do seu veículo. Ele tenta transformar-se nesta rara espécie de ave, no entanto a sua experiência não pode ser reconciliada com o seu distintivo perfil humano.
Em “Finfolk” retoma o mito de Selkie, que nos narra o episódio de uma foca que dá à costa como um ser humano. Neste filme vemos Coates, emergir do invernoso Mar do Norte num árido pontão onde veementemente fala num língua irreconhecível. Vestido com uma máscara de concha, apresenta-se como um ser não-extraordinário. À medida que submerge no mar, deixa-nos a pensar o que, de facto, nos separa das criaturas marinhas.
Em “Local Birds, A Guide to the British Non-Passerines and Dawn Chorus”, Marcus Coates usa uma técnica digital de vídeo, que permite às pessoas cantarem exactamente como pássaros. Este processo informa-nos sobre o nosso comportamento inconsciente e explora a possibilidade da conexão com outras espécies.
Recentemente, o comportamento animal tornou-se a regra para resolver o problema. Tem usado técnicas tradicionais de mimetismo animal para tentar resolver difíceis problemas sociais nas comunidades.
Trabalhando como Xama, realiza rituais para clientes, em que dá informações que recebe através dos seus encontros com os espíritos de animais.
Novos clientes incluíram Shiel Park Residents Association Liverpool, Liverpool City Council, Ikebukuru City Council Japan, Toge Village Council Japan e Stavanger City Council Norway.
Coates tem encontrado respostas para uma variedade de questões problemáticas destas comunidades, que vão desde Como poderemos vender o nosso arroz de forma mais vantajosa? (Toge, Japão), até Como poderemos parar com a exploração das prostitutas nigerianas na Noruega? (questão à qual tentou arranjar uma resposta, ao vivo num programa de rádio norueguês).
Estas performances, como acontecimentos em directo, mas importantíssimos para o artista, tornam-se, por mérito próprio, filmes e fotografias admiráveis. Marcus Coates usa uma equipa de filmagem, que lhe permite uma cobertura com várias câmaras, levando o documentário para além do seu papel de registo do acontecimento, executando uma dramatização do seu processo artístico.