FUSO 2008
28 JUL > 1 AGO
       

 

                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
             
 
 
 
vincent louberd
AVANIES
   
    2007, 10’
 

Expo Panorama 9-10, 7/06-13/07/2008 Le Fresnoy - Studio national

A transposição de um conto do novelista Japonês Shusaku Endo that traduzido para Francês como: “Un sale type” e publicado na colecção “Douleurs Exquises”, Tokyo, 1965 e 1979.
A história é a de um jovem de nome Eji que, obcecado pelo sofrimento físico, tem medo de aprender se consegue de facto suportar ou não a dor.
Para a medicina, esta dor aguda, extrema, é o locus do sofrimento – o ponto exacto para onde quem sofre não consegue evitar continuamente regressar.
O objectivo do filme é oferecer uma representação visual da angústia e do medo de sofrer. Os equivalentes plásticos desta angústia são o cenário da acção e a tecnologia de infravermelhos. O filme não apresenta nenhum cenário realista. O espaço apenas contém alguns objectos e mobiliário; as cenas vão-se sucedendo e os elementos de decoração mudam. As paredes negras (imaterializadas e invisíveis) acrescentam uma atmosfera perturbante.
No filme, imagens térmicas são o equivalente plástico da revolta do personagem principal e do seu foco interno, não daquilo que o jovem vê mas daquilo que sente. A questão fulcral está na forma como Eji se agarra ao ambiente imediato que o rodeia entendido enquanto um terror de dor. O papel do tigre é desempenhado por um ferimento que ele tem no joelho. As aparições, o medo e a angústia que impregnam o mundo interior de Eji manifestam-se no ecrã graças a uma câmara que capta o invisível, o oculto.
Cada cena é filmada como uma performance. Justaposta, cada cena responde, opõe-se e reforça as outras.