FUSO 2010
28 JUL > 31 JUL
       

 

                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
             
 
 
 
joão Ó
LOST-PORTRAIT
OPEN CALL  
    Portugal, 1:30 min
 

Lost‐portrait envolve a criação de uma estrutura espacial concebida inteiramente num espaço virtual que consiste na modulação de um objecto finito dentro de um espaço infinito. Trata‐se de uma construção tridimensional gerada a partir de linhas interligadas entre si que, à primeira vista, aparentam sugerir um emaranhado caótico. No entanto, numa aproximação mais cautelosa, esta teia digital desdobra‐se numa sucessão de superfícies tubulares que se contorcem e convergem para pontos de fuga inesperados; formas que contêm e expulsam o fluxo cíclico do vacuum – um habitáculo do pensamento ausente.
O vídeo desenrola‐se no espaço‐tempo compreendido entre as duas imagens fotográficas (#3.25 e #5.14) que correspondem ao início e final de um percurso. Ao som da leitura de um poema, especialmente concebido para esta peça, uma voz hipnotizante do sexo feminino anuncia o encadear da acção. A duração da leitura do poema coincide com a do vídeo que circunscreve, assim, o acto poético.
O “retrato” aqui enunciado não corresponde à designação comum do termo, mas pretende, em última instância, revelar uma fisionomia interna, uma superfície familiar, a potência de um abismo. Por outras palavras, o espaço psicológico criado remete para um lugar suspenso onde a memória – a retroprojecção do sujeito – resiste à erosão dos acontecimentos.