FUSO 2011
26 > 30 JUL
       

 

                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
         
                     
          back
 
 
 
isabel maria pombo campos dantas dos reis
METONÍMIAS VISUAIS II, 2011
OPEN CALL  
    5’09”
 

Uma bailarina move-se em círculos sobre uma caixa de música, um guarda-jóias. Essa imagem está visível e presente. Mas a presença de quem lhe deu corda, quem a filmou, quem a iluminou é apenas percebida, mas não vista. Nem a presença de quem a idealizou, de quem a construiu e eventualmente de quem a comercializou e de quem a adquiriu e recheou. Na realidade, a presença da bailarina é muito mais um invocar de ausências. Também o é o espelho, cuja memória é efemera e que apenas apresenta a informação que se lhe confronta a cada instante. É impossível rever uma imagem que se lhe reflectiu. Só a fotografia pode reter a memória da luz e por isso só ela é usada como forma perpetuação de vida, ainda mais se à imagem se adicionar som e movimento, como foi o caso.
Este registo surgiu da necessidade de perpetuar uma presença, registando a metonímia de uma ausência.